Quando eu emagreci 40 kg… PARTE VI

Epílogo?

O peso ideal estimado para minha altura seria em torno de 63 kg. Eu não tinha uma meta rígida, a intenção era me sentir bem. Atingi esse número em setembro de 2009, mas continuei emagrecendo até o final do ano, mesmo estando mais relaxada com a quantidade do que eu comia. Cheguei a janeiro de 2010 perto de 60 kg. As pessoas mais próximas já começaram a se incomodar, a obsessão pela magreza é um fantasma perigoso que, hoje todos nós sabemos, pode assombrar a qualquer um. E eu ficava tentando explicar uma decisão aparentemente simples: Não vou parar de correr. Apesar da resistência de uma vida inteira preciso admitir que a vida com preparo físico é muito melhor. Nada como deixar seu corpo pronto pra fazer aquilo que ele nasceu pra fazer: se mexer. Nada se compara a ter disposição para coisas mínimas como lances de escada e percursos corriqueiros, sem preguiça nem esforço. “Mas por que correr?” Por que não? É uma atividade simples de se praticar, que exige da minha capacidade respiratória, do meu desempenho cardiovascular e da minha produção de endorfina. Pretendo continuar correndo enquanto tiver joelhos pra isso. Vou tentar justificar meus critérios.

Já contei aqui que depois de um tratamento longo e bem feito tinha conseguido melhorar bem as minhas mazelas respiratórias e já estava quase acostumada a respirar quantidades normais de oxigênio para um ser humano. Mas o que aconteceu depois dessa saga foi surpreendente até pra mim: a alergia desapareceu. Não estou dizendo que diminuiu, nem que está controlada, ela sumiu. Passei toda época fria do último ano sem uma crise sequer. Quando isso tinha acontecido na minha vida antes? Não sei dizer. Os fabricantes de lenço de papel estão em pânico: a demanda na América do Sul caiu pela metade. A indústria farmacêutica está desesperada! Não compro mais antialérgicos, nem corticóide nasais, nem broncodilatadores (as “bombinhas” de asma), nem antiinflamatórios para suportar a sinusite. Não sou teimosa a ponto de duvidar da relação dos meus novos hábitos com isso, nem por um segundo.

A relação com a vida, com as dificuldades do dia-a-dia, com os problemas, que são coisas que não só os gordos têm, ficou mais fácil. Aliás, vou contar um segredo: emagrecer não é a chave mágica da felicidade, o mundo continua girando com tudo de bom e de ruim que isso possa trazer. Uma produção equilibrada de neurotransmissores, as substâncias químicas produzidas no cérebro que nos auxiliam a processar todo tipo de informação e a conviver com a dor e o prazer de forma mais satisfatória, pode ajudar e muito a ter uma vida mais “lubrificada”, onde as dificuldades sejam vistas apenas como aquilo que são: dificuldades.

E por último: sim, para manter a forma! Quero sim, ficar bem esteticamente. Quero sim, ser o mais bonita que eu puder ser. Acredito que haja pessoas que não precisem de esforço pra isso. São poucos abençoados, mas conheço alguns. Mas é uma questão matemática, individual. Não é o meu caso. Para que eu tenha a mínima liberdade de comer sem ficar neurótica preciso gastar. Meu metabolismo não dá conta só com meu gasto básico de energia. Preciso encarar isso com realismo.

Ainda estou tentando chegar a um ponto de quilíbrio entre o que eu consumo e gasto. Minha idéia original sempre foi uma hora de atividade física por dia, por isso tive de evoluir da corrida de 5 km para a de 7,6 (não é um número cabalístico, é só o equivalente a duas voltas na parte demarcada da pista da Avenida dos Andradas), que faço em 50 minutos em média. Para manter uma produção de endorfina satisfatória e minha condição respiratória no cabresto preciso de uma rotina de pelo menos 5 dias por semana de atividade. Esse é o meu objetivo. Além de me alimentar bem, de maneira saudável, ingerindo o máximo de fibras e água que for possível.

Como acaba essa história? Ela não acaba. Começa toda manhã. O plano é simples, mas tenho que encontrar horário na minha rotina todos os dias, tenho que encontrar a disposição pra correr, pra sentir calor, pra sentir frio, tenho que encontrar tempo firme, alguém para ficar com meu filho,  tenho que encontrar sede, bom senso para comer, frutas na geladeira (não, elas não nascem lá!). Todos os dias eu acordo sem nada disso, como qualquer outra pessoa. É por essa razão que acho importante lembrar os detalhes, todas as grandes tristezas e pequenas alegrias. Não esquecer nada. Saber sempre que foi escolha minha e que cabe a mim sustentá-la.

Anúncios
Esse post foi publicado em Quando emagreci 40 kg. Bookmark o link permanente.

31 respostas para Quando eu emagreci 40 kg… PARTE VI

  1. edu disse:

    Ana de todos os teus textos sobre você,sobre a tua mudança,esse com certeza pra mim é o melhor,escreveu com muita vontade,com satisfação em dizer que dificuldades existem pra todo mundo,cabe a cada um enfrentar essas dificuldades,encarar como algo superável(que na verdade é)não é um bicho de sete cabeças,é um obstáculo e obstáculos existem para serem superados.

    beijos continuo teu fã mesmo você dizendo que não presto, que sou besta,abestado rsrsrsrsrs.

    gostei da imagem rsrsrsrsrsrs

    beijos,até mais Ana

  2. Feliz³ disse:

    pois é… cuidar ‘da gente’ é uma história sem fim… e o melhor de tudo é que só ‘cuidamos’ de quem gostamos… por isso,eu desejo que vc se ame e admire,cada dia mais…

    beijão e uma boa semana procê,lindona!

  3. Bizzy Noraime disse:

    Correr para fugir do fantasma da obesidade… eis um ponto do qual queria me apegar!
    Correr nunca foi o meu forte, mas conversar mesmo que com palavras sim…
    Se palavras são corridas neste espaço-tempo curto que a internet nos apresenta
    ( sim, quando você fica num chat você nem percebe o quanto se foi de tempo! )
    eu teria corrido uma maratona de ida e volta…
    Mesmo assim não apaga a minha preocupação quanto ao que fazer sobre a ansiedade e sobre a tal obesidade.
    Quem sabe eu não parta de um ponto simples, como foi o seu – caminhar – e tentar unir o util ao agradavel
    Conversando e caminhando apenas rs
    Beijos Aninha
    Cuide-se
    B.N

  4. Martinha disse:

    Vizinha,

    A minha esteira esta no CTI, um dia eu chego lá rsrss

  5. Anita disse:

    Kkkkkkkkkkkk
    morri de rir com aquilo de que as frutas não nascem na geladeira…
    bem que poderiam…

    Deixa eu te perguntar: vejo que muitos dos que correm falam dos joelhos. Se prejudicam tanto assim com o trote?
    Nesse caso, caminhada não ressolve tb? Tem que necesariamente ser corrida em lugasr de passo?
    Um besote, xará!

    • anadoug disse:

      Gringa,
      É…
      elas não nascem mesmo
      Já até tentei, mas não funcionou.
      Quanto ao trote:
      posso até dar uma pesquisada com minhas consultoras para assuntos aleatórios…
      Porque eu só conheço mesmo o meu joelho e pessoalmente nunca trotei…
      Mas cada um é cada um mesmo e qualquer músculo ou articulação exigida pode dar problema.
      Conheço pessoas q tem dificuldade para andar até…
      Mas acredito q a caminhada rápida traz ótimos resultados, sim!!
      Beijo!

  6. its disse:

    é…não há nada q se tenha q não se possa perder, não há nada q não se tenha q não se possa conseguir. seguimos lutando.

  7. Bete disse:

    Nossa Ana!!!!!! Do jeito que você coloca, tudo fica simples e claro… O negócio é ter ATITUDE, né??? Já vi esse filme… rsrsrsrsrs… e estou vendo que funciona!! Estou cada dia mais inspirada! Me aguarde!!!!!! Beijos…

    • anadoug disse:

      hahahhahahahahhahahahhahahahahhahahahhahahha

      Essa palavra não tinha me ocorrido, Bete…
      mas ela cabe sim…
      Mais uma vez, né???
      Conta comigo, viu??

      Beijinho!!

  8. Janaína disse:

    Pois é, querida Ana, sustentar a condição também é tarefa árdua. É uma questão de continuidade. O que vejo por aí são pessoas desejando um emagrecimento rápido e, com isso, buscam alternativas “rápidas” também. Nós sabemos que só uma mudança de comportamento faz emagrecer e, sendo assim, a manutenção acontece.
    Mas vejo em você muita determinação e inteligência para sustentar esse novo estilo de vida. Parabéns mais uma vez!

  9. sasha disse:

    boa noite
    ficou linda a imagem aqui no blog

  10. Rodrigo disse:

    Ana, depois de ler tudo o que você escreveu aqui, pensei muito antes de escrever para representar o que sentia.
    Felicidade, esse é um sentimento que descreve muito bem o que eu senti ao ler seus textos!
    Fico muito feliz ao ver suas conquistas porque nunca é fácil vencer a inércia que nos prende e alcançar os objetivos para ser feliz.
    Não é fácil, nem sempre prazeroso mas é uma conquista pessoal incrível!
    Você é uma pessoa maravilhosa por tudo o sempre foi, agora tornou-se um exemplo de felicidade e inspiração para outras pessoas.
    Te desejo mais sucessos nessas novas conquistas pois nunca devemos parar de fazer planos.
    Toda felicidade hoje e sempre,
    Rodrigo.

  11. Ana Marcia Flausino disse:

    Ana, Que bom te ver em “movimento”
    Realmente mexer o corpo é tudo de bom.
    Eu amo correr, se precisar de companhia, pode me chamar….
    Abs, Deus te abençõe.
    Ana

  12. Renata Scaldaferri disse:

    Oi Ana. Muito do q vc contou serve pra minha vida, vc nem imagina o quanto. E a sua força de vontade foi incrível… Parabéns!!!

    Ah, amanhã eu começo a correr. Vou pelo seu exemplo, caminhar 300 e correr 100…

  13. Lis Alves disse:

    Amei sua historia, estou procurando isso pra mim, estou numa depressão horrivel, já chorei muito,mas depois de tanta choradeira resolvi me matricular em uma academia e esta fazendo uma semana que frequento.
    Estou animada,o corpo já não doi tanto com os exercicios, tenho que eliminar 40 kg também,seu relato é muito inspirador.
    Obrigada por partilha-lo.

  14. Jane Kelly disse:

    Oi Ana, achei linda a sua história e a tomarei como exemplo. Preciso eliminar 20kg, mas no meu caso não posso nem fazer caminhada e nem corrida devido um problema de coluna. Mas farei hidroginástica e irei analisar o que como e fazer uma reeduação alimentar. Espero conseguir chegar na minha meta.
    Obrigada por partilhar sua esperiência conosco.
    Abraços.

  15. Alisson Gabriel I. Bistaffa disse:

    Belíssimo… “No fim, somos nós contra nós mesmos.” Amei… Emagreci 17 kg, preciso emagrecer mais uns 25^^ Foi muito confortante para mim conhecer sua história, ter tido contato com seu ser… Ser anônimo, mas que tanto me parece familiar… Estranho. Senti-me tão tocado, tão íntimo. Resta-me parabenizá-la… Obrigado.

  16. Rachel disse:

    Amei!
    Tenho um grupo de corrida à disposição, uma academia, um parque e não uisufruo de nada.
    Estou nessa guerra comigo mesma, quero muito emagrecer uns 20 kilos.
    Inspirador ler tua história.
    E vc escreve muito bem!

  17. Flor… não sei se vc continua acessando o blog… mas… quero te agradecer… hoje estou com 92kg e tenho 1.55m… Ontem decidi que ia emagrecer… Que ia chegar no meu casamento (abril ano que vem) de uma forma que eu realmente gostasse de mim… Ler a sua historia ajudou a me motivar!!! Obrigada!!! =D

  18. Andréa disse:

    Ana, simplesmente amei e me emocionei! Parabéns querida guerreira!

  19. Eli disse:

    Vc é fantástica!
    Preciso da tua força pq estou sem forças e passo pelo mesmo problema que vc passou.
    O mesmo!
    Tenho dois bebês de 2 e 3 anos.
    Tenho 1, 60 de altura e peso 98, 5
    Minha estima tá muito distante.
    Vc é exemplo de superação, Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s