Irrelevâncias



Existe sentimento mais humano do que a insatisfação? E chamo de insatisfação o que muitos chamam de inveja. Estamos sempre olhando pro lado. A fila do lado anda bem mais rápido, todo mundo sabe disso. O prato da mesa do lado é sempre bem mais gostoso do que o que eu pedi. O emprego do meu vizinho é muito melhor. A vida do outro é sempre mais feliz, mais interessante. O outro é sempre mais bem sucedido.

E é aí que começa outro dilema: quem é mais bem-sucedido? O empresário e a certeza de dominar os meios de produção? O empregado e suas férias garantidas? O político e a possibilidade de enriquecimento ilícito? O sem teto e a consciência tranquila? O autônomo e suas infinitas possibilidades? O funcionário público e o emprego vitalício? O milionário anônimo? A celebridade falida?

E a felicidade? O que é? O corpo perfeito? O desapego estético? O prazer da gula? A anorexia? Ter muitos filhos? Um vida independente? A velocidade? A segurança? Muitas viagens? Muitas raízes? Um grande amor? Vários amores? A fidelidade? Muitos amantes? Dez anos a mil? Mil anos a dez?

E se de repente não for nada disso? E se toda essa incerteza for só um artifício pra nos distrair da nossa única certeza? E se nossas vidas forem todas iguais? E se todos os caminhos levarem ao mesmo lugar?

Então talvez, e apenas talvez, devêssemos nos concentrar no próprio cardápio. Tentar esquecer o que a vida deu ao outro e pensar no que ela pode nos dar já. Tentar entender o que realmente nos interessa, seja o que for. Porque o que foi reservado pra nós, o que é reservado pro outro é um grande mistério e vai permanecer assim, seja uma fortuna na loteria ou uma doença raríssima.

Então talvez seja o caso de desfrutar do sono e da insônia, do grito e do silêncio, da falta e da fartura, do boteco e do bistrô, do tédio, da fome, do frio, do medo. Talvez seja o caso de encarar a vida pelo que ela é, uma experiência única e exclusiva, por mais repetitiva que pareça.

Carpe diem!  (o que quer que isso signifique pra você)

“Que a vida é mesmo coisa muito frágil,

uma bobagem, uma irrelevância,

diante da eternidade, do amor de quem se ama…”

Nando Reis

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Irrelevâncias

  1. Clarice disse:

    Lindo Ana!
    Carpe Diem!
    Parabéns!

  2. Edu disse:

    temos o vício de reclamar e não aproveitar o que nos foi dado,é isso aí ana,por isso sou teu fã,tá lindo o texto.coisa boa é poder ler você.

    beijos

  3. Patrícia disse:

    Fantástico, Ana. Parabéns pelo texto bem escrito, pela lucidez das ideias e pelo BOM conselho. Bjs

  4. anadoug disse:

    Meus queridos,

    Queria me desculpar com todos os que vem aqui pela ausência de posts e de comentário. Às vezes falta inspiração, mas na maior parte delas tem faltado tempo mesmo. Muito trabalho e não posso reclamar. Mas queria agradecer o carinho. Obrigada por gostarem do meu diário aberto.

    Aos amigos, conhecidos e desconhecidos meu grande beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s