Existe vida depois do divórcio?

Desde sempre ouvimos falar do medo do desconhecido. A princípio soa como uma coisa esotérica ou de ficção científica.  Começamos a imaginar uma experiência extra-sensorial, ou abdução por extra-terrestres ou a mudança para um lugar muito distante. Mas dificilmente é o que significa. Na maioria das vezes o nosso desconhecido é uma coisa tão simples quanto um próximo passo.  E esse é o tipo que mais assusta. Tomar uma atitude que mude a vida, mesmo quando ela está insuportável, nos faz parar pra pensar, ou nem faz, às vezes o medo apenas nos paralisa.

Talvez seja por isso que o assunto divórcio apavore tanto as pessoas. Poucos tópicos são mais chocantes. A possibilidade de romper uma situação estabelecida e partir para a incerteza machuca. Deve ser porque poucos momentos na nossa vida são tão cheios de promessas duradouras e quebra-las nos parece intolerável. De uma coisa eu sei: poucas notícias são tão difíceis de dar e de receber. E digo mais: poucas são digeridas com tanta dificuldade. Chega a ser engraçado.  A primeira coisa que a pessoa diz quando você conta, quase num reflexo, é: vocês vão voltar. Os mais prudentes conseguem até usar um tom de pergunta, mas a maioria é categórica. Quando aconteceu comigo, depois de falar com as pessoas mais próximas, várias vezes eu tive que consola-las. Isso mesmo: consolar as pessoas da “tragédia” da minha separação.

No último século fomos tão criticados pela instituição do divórcio que o que ficou foi uma culpa enorme. Em nossas mentes estamos sempre desistindo a toa, sempre desvalorizando a família, sempre tentando a saída mais fácil. Será mesmo?? Não sou nenhuma especialista em estatística, nem tenho números, mas não é o que tenho visto. Vejo pessoas, mulheres e homens, tentando a qualquer custo levar relações  adiante, até limites inimagináveis. Isso até acabou criando um efeito colateral que seria cômico se não fosse trágico: mais de uma vez percebi inveja nas pessoas, principalmente nas mulheres.  Sim, inveja do meu divórcio. Não me lembro de ter visto esse olhar quando contava que tinha me casado.

Não, de maneira nenhuma faço apologia ao fim do casamento. Pelo contrário. Sou uma boba romântica e idealista que acredita que um relacionamento estável pode sim, fazer as pessoas felizes. Bem, não sou tão boba assim, né? Sei das dificuldades (ô, se sei!). Mas também sei que é preciso tentar.  Não existem príncipes, nem princesas, nem finais felizes, só pessoas que tiveram a sorte de ter encontros bem sucedidos. E mesmo essas, com certeza vão ter problemas. Mas acredito que uma relação a dois saudável é possível e se há quem julgue que encontrou uma deve defende-la com unhas e dentes.

Isso nada tem a ver com as armadilhas que a gente faz pra si mesmo, como a de se trancar em um casamento infeliz e passar a crer piamente que a vida se resume a isso. Em nome de que mesmo? De filhos que passam anos carregando nas costas pai e mãe emburrados que insistem em permanecer juntos? De um patrimoniozinho chinfrim de classe média? Do status  e segurança financeira que o casamento da (??????)? Do orgulho de não voltar atrás? Ou será que não é em nome de nada? Será que é só medo… medo do desconhecido, medo de ser sozinho.

Não zombo desse medo. Quem seria eu pra isso? Logo eu que passei tanto tempo refém dele. Só queria convidar a uma reflexão que eu gostaria de ter tido a lucidez de fazer antes do que fiz. O fim de um relacionamento, ainda que seja um casamento, ou uma união estável, ou um concubinato, ou seja lá o nome que você dê, não é nada mais que isso: o fim de um relacionamento. A vida, enquanto for vida, segue sempre e pode te surpreender com seus novos rumos e formas. E o desconhecido só é assustador até começar a acontecer.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

14 respostas para Existe vida depois do divórcio?

  1. Martinha disse:

    Acabar um relacionamento não é fácil mesmo, e mante-lo é tão dificil quanto

    beijos amiga

  2. anadoug disse:

    Atenção, comentaristas!!
    Liberei geral!!!! Os comentários…
    Ou seja: de agora em diante eles aparecerão aqui antes de serem moderados.
    Se você NÃO quer que o conteúdo seja publicado, mande para o email do blog:
    alta-estima@hotmail.com
    Beijos!

  3. adriane disse:

    Como sempre, perfeito!!!!!!!
    Bjs

  4. É fácil falar quando não se passou por isto. Já passei por dois. É muito difícil. A turma está sem paciência. Já casa pensando em separar se “achar” que não deu certo. Depois dessa encaretei. Casamento é prá durar. E filhis são para serem criados por e mãe, e não referências várias, senão dá no que vem dando, depressão, “fluoxetina”, síndrome do pânico e consumismo. E tenho dito. Ah, ia esquecendo conhecer-se, seguir a intuição, ela dá avisos, e cuidado com as escolhas. Cuidaedo e chá de camomila não faz mal a ninguém. Ah… auto estima também é importante e bota “auto” nisso, tem a ver com segurança e passar esta segurança também. Depois é só love e muita tesão que tmbém é importante, mas não segura nada.

    • anadoug disse:

      Concordo com vc. Paciência é fundamental, e tolerância é fundamental. E tentar acertar na escolha representa boa parte da mão-de-obra. Hoje sei o quanto é importante. A teoria dos opostos q se atraem é mt boa… na Física, não em relacionamentos. Criar os filhos juntos também é tudo de bom… em um ambiente saudável. Jamais entraria em um relacionamento se não fosse pra dar certo e pra tentar de verdade, mas acho um gd erro se destruir e se anular pra manter um.
      Obrigada pelo comentário

    • LIlia disse:

      Acabei de sofrer um divorcio e concordo com vc em partes. Casamos para ficarmos casados e construirmos uma vida. Mas é dificil demais principalmente quando o homem decide pedir palpites para colegas ai fudeu(penso que o relacionamento tem que ser construido entre os dois) . Nao acredito que as pessoas casem pensando em se separar.

  5. Jackilene disse:

    Oi Ana Paula
    Hoje estava tão angustiada por um problema pelo qual o meu irmão está passando e coincidentemente acabei lendo o seu blog, Maravilhoso seu texto. Ele me fez refletir sobre o assunto.
    É verdade. Como vc conseguiu resumir um momento tão complexo de forma tão clara e simples.
    Obrigada.
    Ah. Nao esqueci não. Amanhã tem niver e te desejo toda a felicidade do mundo.
    Bjs e muitas saudades daqueles tempos maravilhosos que passamos.
    Inté qq dia.

  6. marcia disse:

    Oi Ana ,primeiramente meus parabéns por tanta força de vontade ,determinação .cada vez que leio histórias com a sua penso que não posso desistir ,mas como é dificíl ! já passei por varias dietas ,são 45 kilos de exesso de peso ,que as vezes não me deixa ter força de sair de casa ,já não dá mais vontade de lutar ,pois tudo é muito pior para um obeso ,se tu poder me passar suas dicas ,eu te agradeço de coração ,sou marcia tenho 42 anos ,um abraço

  7. Glécia disse:

    Olá Marcia

    Realmente é muito dificil , porém não é impossivel , vc é capaz todos nós somos, sou terapeuta e sei que temos dentro de nós uma força insuperavel ,basta nos encontrarmos com ela no nosso intimo. Estarei torcendo por vc. E a vc Ana parabens pelo seu blog .

    Glécia Gomes

  8. Moura disse:

    Oi Ana,amei seu blog parabéns,acabo de passar por uma separação que já deveria ter acontecido há muito tempo atras,fiquei presa á uma relação sem amor e quando eu deixei claro
    a separação engravidei e tive que ir tentando levar e assim foi passando,talvez foi as opiniões e
    o medo do julgamento dos outros que adiava essa separação,foi muito complicado.
    Hoje me separei com muito esforço pois enfrentei algumas pessoas e ate a resistência do meu ex marido,sei que para ele vai ser bom espero que encontre alguém que corresponda o amor que
    não pude dar todos esses anos.Pela mulher que sou meu ex pensava que pelas filhas eu nunca iria me separar,mas como eu sempre falo,filho dificulta a separação,mas não salva o casamento.Eu estou com minhas filhas e hoje estou tentando resgatar aquela pessoa verdadeira que adormeceu dentro de mim,me sentia em uma areia movediça que quanto mais eu tentava,não conseguia me sai da situação.Espero e vou conseguir descobrir isso e sei que estou muito feliz apesar das crianças e tudo tem seu tempo e me sinto muito forte para retomar minha vida novamente.
    Ser feliz é o que importa.

  9. Sónia Lemos disse:

    Passei por aqui á toa e não é que a coisa faz sentido.Tudo aconteçe por um motivo.
    Todo este relato de relação-divorcio, está acontecendo comigo.Sinto literalmente cada palavra do texto porque são estas as conclusões a que chego.
    Muita inveja mesmo da coragem de assumir algo que nao está bem, despindo todo o materialismo hipocrita que se vivia.Acreditar no Amor no mais alto patamar, como uma fonte incondicional de alguem terrreno será o sonho de todos mas só os corajosos se permitem aproximar, encontrar e viver
    Isto é sermos nós na nossa essencia e acreditar, atraindo a essencia que podera ser a nossa verdadeira caminhada, com mais ou menos atropelos, mas o caminho da verdadeira Felicidade e AMOR
    Tudo custa nesta vida, mas teremos a consciencia de seguir os nossos valores essenciais e puros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s